Monte RORAIMA

Muitos de nós não estão preparados para a viajem ao Monte Roraima e, não pense que é só pela capacidade física [porque também há programas pensados para a terceira idade], mas talvez, por ser um dos locais mais antigos do planeta (cerca de 2 bilhões de anos), delimitados por falésias de cerca de 1.000 metros de altura, onde os seus platôs apresentam um ambiente totalmente diferente do que possa ter visto ou sentido até agora… mesmo que seja um viajante experimentado.

É unânime a afirmação dos que passaram por lá, de que, ali, todos sentiremos algo de muito diferente, para além do habitual esforço dos músculos das pernas. Ali, encontra-se uma energia diferente de tudo o que já se vivenciou.

As explicações que se utilizam para descrever as sensações que ali são sentidas, são muitas e variadas, mesmo quando formuladas por pessoas pragmáticas, como por exemplo:

-[…] “o Monte Roraima não tem nada de óbvio, te garanto. E não me refiro apenas à montanha enquanto formação geológica, mas principalmente à energia que ela tem e à experiência que ela proporciona.”

-“Ir ao Monte Roraima não é como uma outra viagem de férias qualquer, quando você diz que se desconecta de tudo. Aqui é justamente onde a conexão acontece. A verdadeira conexão – com o todo, com a mais pura energia do universo.

-“O Roraima é um lugar primitivo, que parou no tempo, livre de contaminações ético-morais-sociais. Ele é puro, cru, in natura.

Subir o Roraima é voltar às origens – da Terra, da vida, do ser, de si. É entrar em profunda sintonia consigo mesmo. É questionar-se. É olhar para dentro. É despir-se daquele personagem social que interpretamos todos os dias em prol de uma vida normal. É deixar aflorar a nossa essência.”

-“Ô, consciência, eu morri? É a sensação que se tem quando se sente no paraíso? Ou em um sonho? Este lugar pertence, no mínimo, a outra dimensão

-“Você desacredita que esteja localizado em algum ponto do planeta Terra, tal é o seu desencaixe da realidade conhecida. Realidade? O que é isso afinal? Qual é a verdadeira “realidade”?

-“Se me dissessem para fazer um pedido agora, pedir qualquer coisa, eu não pediria nada, porque eu já me encontro em plenitude”.

Aqueles pequenos planaltos, denominados localmente por Tepuis testemunharam grandes transformações no nosso planeta.

Fizeram parte do supercontinente Rodinia e, milhões de anos mais tarde, também do supercontinente Pangeia. Assistiram ao crescimento dos níveis de oxigénio e, consequentemente, ao surgimento de imensas formas de vida. São testemunhas dos primeiros vertebrados, das primeiras plantas e dos primeiros animais terrestres e, mais tarde, presenciaram a dominação da terra pelos dinossauros e do caos que se seguiu com o impacto de um meteoro há cerca de 66 milhões de anos.

Essa massa rochosa – uma das mais antigas da Terra – inicialmente abrangia boa parte do planalto das Guianas, mas foi fraturada e reduzida aos tepuis atuais pela ação da erosão e de movimentos tectônicos ao longo dos últimos 180 milhões de anos.

O solo proveniente da rocha matriz de arenito é bastante ácido, pobre em nutrientes e muito fino. Com efeito, o constante processo de lixiviação promovido pelos cursos d’água impede a fixação de nutrientes e de partículas e consequentemente a formação de camadas consistentes de solo.

Grande parte da fauna e da flora dos tepuis ainda é desconhecida. Novas espécies são descobertas a cada ano e marcadamente endêmicas o que indica “ameaça ou risco iminente de extinção”. Encontram-se diversas espécies de plantas carnívoras que aprenderam a retirar dos insetos capturados os nutrientes que faltam no solo.

Os primeiros seres humanos chegaram ali há cerca de 10 mil anos. Atualmente, a região da montanha é habitada pelos Pemons, descendentes dos Caraíbas, que se estabeleceram na região há cerca de 300 anos.

Presume-se que primeiro europeu a conhecer o Monte Roraima tenha sido o poeta e explorador inglês Walter Raleigh que no final do século XVI, entrou nas Antilhas e cruzou a floresta na região da Guiana à procura do mítico “El Dorado”. Ele teria chegado apenas à base do Monte. Mesmo assim coletou material suficiente para escrever a obra que denominaria “Montanha de Cristal”.

Finalmente em 1884, o inglês e botânico, Everard Im Thum, conseguiu subir ao cume da montanha através de uma passagem até então desconhecida – mesmo pelos Pemons – deixando relatórios detalhados da sua expedição, que além de terem sido publicados na National Geografic, inspirariam o escritor Conan Doyle a escrever o clássico “O Mundo Perdido“.

Muitos trechos dos seus quase 90 km de área permanecem ainda intocados, seja pela dificuldade de acesso ou pelas crenças indígenas que os isolam. Para ser ter uma ideia, somente em 1976 é que o primeiro homem (o escritor venezuelano Charles Brewer-Carias) desvendou o impressionante Vale dos Cristais, local próximo ao ponto que marca a tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana. Já as lendas mantidas vivas pelos índios fazem com que visitantes e estudiosos “jurem ter visto criaturas pré-históricas”.

A sua extensão e seu entorno encanta por apresentar vários tipos de formações rochosas estranhas, piscinas naturais, abismos e cachoeiras incríveis.

O clima no Monte Roraima pode ser considerado bipolar, pois varia muito. Pode fazer um sol escaldante, e em 10 minutos, uma nuvem vem e uma chuva pesada cai. Por isso sempre é bom estar bem preparado.

No topo de cada tepui há sempre muitos lugares para visitar, um deles são as jacuzzis, piscinas naturais com formações de quartzo no fundo.

Outro local a ser visitado é “la Ventana y el Abismo”. É um lugar único e próprio para se ficar imóvel e introspectivo, enquanto se admira toda aquela beleza. Lá é como se tocássemos no “algodão das nuvens, enquanto se observa a mata e o tepui Kukenan.”

Um pouco mais acima, chega-se no ponto mais alto, o Maverick. Dizem que ele é assim denominado por lembrar a forma de um modelo de carro da Ford. Dali, avista-se um magnifico pôr do sol e a imensidão da Gran Sabana como presente dos deuses.

Neste “canto do outro mundo”, vive por exemplo, uma pequena rã preta, de aproximadamente 1 cm, chamada Oreophrynella Quelchii, que apenas desliza e não salta.

No cume podemos ver a Bonnetia Roraimae, que são pequenos arbustos com copa densa e avermelhada e pequenas flores cor-de-rosa. Também é possível observar um pássaro chamado Tico-Tico (Zonotrichia capensis).

Mas existem imensas cavernas, grutas, lagos e rios para explorar.

E o que devo levar?

Higiene e medicação – dê preferência para produtos biodegradáveis.
Escova, creme e fio dental, xampu, desodorante, sabonete, roupa de banho, toalha, agulha, tesourinha, linha de costura, faixas tipo gaze, esparadrapo, batom ou manteiga de cacau, protetor solar, repelente, band-aid, relaxante muscular, creme hidratante para pele, pomada contra assaduras, vaselina para evitar bolhas, medicamentos de uso contínuo ou para primeiras necessidades, papel higiênico, lenços umedecidos.
Recomendamos purificador de água.

Deve-se separar: roupas de dormir e roupas de caminhada.

ROUPAS DE DORMIR – SEMPRE SERÃO AS MESMAS, TODOS OS DIAS.

Sandália para descanso nos acampamentos (papete é a ideal)
Par de meias para dormir
Calça de dormir (pijama ou abrigo)
Bermuda
Roupas íntimas
Blusas (de preferência de mangas compridas)
Blusa e calça segunda pele
Casaco de frio (de preferência que não seja muito pesado nem muito volumoso)
Touca de lã
Luvas de lã
Pequeno travesseiro

ROUPAS DE CAMINHADA

Bota de trekking (pré-amaciada)
Pares de meias (01 par para cada 02 dias)
Calça leve para caminhada (02 unidades são suficientes)
Bermuda (02 unidades)
Roupas íntimas (a critério)
Camisetas para as caminhadas (01 camiseta para cada 02 dias)

OUTROS EQUIPAMENTOS

Mochila de 60 litros ou mais
Mochila de ataque (pequena)
Saco de dormir 0ºC
Isolante térmico ou colchonete
Cantil
Bastão para trekking (recomendável, porém não imprescindível)
Tensor para joelhos
Capa de chuva de boa qualidade – preferência para os modelos tipo poncho
Rolinho de barbante para usar como varal
Mosquetões de tamanhos variados (para pendurar coisas) – facilita muito.
Rolinho de fita silver-tape (pode precisar)
Sacos estanques para embalar as coisas na mochila
Chapéu de abas, de preferência que cubra o pescoço
Óculos de sol
Binóculos (opcional)
Máquina fotográfica
Power Bank (carregador portátil)
Lanterna pequena c/ jogos de pilhas reservas

Dicas

  1. Lembre-se de cortar as unhas dos pés, para evitar o atrito com o tênis na descida. Há vários casos de unhas que caíram alguns dias depois da volta, por não terem tomado este cuidado.
  2. Existem vários métodos para evitar bolhas. Comece com a prevenção, preferencialmente, dois ou três meses antes da viagem. Massageie os pés com álcool gel após as caminhadas de treino e após o banho. O álcool desidrata a epiderme, ou seja, a camada mais externa do pé, aumentando sua espessura e diminuindo a chance de formação de bolhas. Leve uma garrafa plástica de álcool com você durante o seu trekking. Adquira o hábito de parar após 3/4 horas de caminhada. Retire as botas e massageie os pés com álcool, principalmente em algum ponto dolorido. Durante a caminhada pare sempre que sentir algum desconforto nos pés e os massageie vigorosamente, mas com carinho. Adquira o hábito de não molhar os pés antes de caminhar. Massageie os pés com vaselina, nas plantas dos pés e entre os dedos. A vaselina reduz o atrito do pé com a bota e dos dedos dos pés. Coloque uma meia de algodão fininha, de preferência sem costura (as mesmas utilizadas pelos pacientes diabéticos) para prevenir trauma na superfície dos pés. Coloque um segundo par de meias de Coolmax ou Smartwool. Essas meias são espessas e macias, diminuindo o trauma nas plantas dos pés. Elas também permitem que a umidade seja evaporada dos pés, mantendo-os secos. A meia fininha, de algodão, é ótima para evitar que a vaselina entre em contato com a Coolmax ou Smartwool. As botas devem estar bem calçadas, sem folga ou aperto desnecessário.
  3. Para pessoas com pouco condicionamento físico, recomendamos caminhadas de 10 km pelo menos 03 vezes por semana, de preferência 60 dias antes da viagem. Se for possível, opte por terrenos acidentados, e melhor ainda se puder levar uma mochila com 5kg, para já ir adaptando o corpo à realidade da trilha.
  4. Pessoas que estejam acima do peso ideal (10 a 15 kg) ou que tenham problemas nas articulações (principalmente joelhos) ou cardíacos, devem consultar um médico para saber se a atividade pode ser realizada.

Não é possível ir sozinho ao Monte Roraima. É obrigatório contratar uma agência ou um guia credenciados.

Lembre-se que cuidar da natureza é também cuidar do que é nosso e deixar que as gerações futuras também conheçam o mesmo que você está a descobrir.

ROTEIROS

Existem vários roteiros. Este é só um deles. Quer saber mais? Procure-nos em emo7ion@emo7iontour.com

EXPEDIÇÃO MONTE RORAIMA
Roteiro Circuito Mágico Makunaima- CMM
10 dias 9 noites – 05 noites no topo

Por mais que se caminhe no topo do MONTE RORAIMA, duas coisas nos deixam inquietos:

a) Que lugar indescritível: suas formas, seus sons, seus silêncios, suas névoas. Quantas pedras, quanta água, que imensidão é essa que parece ter parado no tempo? Quanto mais se anda, mais se tem para descobrir e, na verdade, ainda há muitos lugares no topo que sequer foram pisados pelo homem.

b) Essa montanha parece estar viva, desperta sensações adormecidas, eleva a alma ao SER SUPREMO que habita cada um de nós, fazendo repensar valores, tornando cada pessoa mais forte e frágil ao mesmo tempo.

As reflexões chegam naturalmente até no mais cético dos viajantes, principalmente naqueles que permanecem mais dias no topo. Neste pacote denominado CIRCUITO MÁGICO MAKUNAIMA, há possibilidade de conhecer todos os atrativos possíveis a visitação no topo da montanha. Esqueça todas as formas de definição, somente os olhos e a alma saberão explicar.

As expedições que organizamos são diferenciadas pelos serviços que oferecemos:

  1. Atendimento personalizado;
  2. Transporte privativo;
  3. Equipamentos adequados, revisados e com manutenção em dia;
  4. Cardápio alimentar balanceado, com inclusão de frutas;
  5. Guias experientes e orientados para tratamento humanizado a todos os clientes;
  6. Reunião do grupo, em Boa Vista, para orientações técnicas, visando à segurança de todos;
  7. Orientações detalhadas relacionadas com a viagem, com procedimentos preventivos para maior segurança dos participantes;
  8. Aparelho de Telefonia via Satélite para comunicações em caso de emergência;
  9. Equipe treinada para extremo respeito com o meio-ambiente e com a cultura local;
  10. Parceiro credenciado legalmente pelo Ministério do Turismo através do CADASTUR, Departamento Estadual de Turismo do Estado de Roraima, associada à ABETA – Associação Brasileira das Empresas de Turismo de Aventura e Natureza.

Viajar com os Parceiros da EMO7ION não é uma viagem comum. Estes, são diferentes pela qualidade na logística, pelos equipamentos oferecidos, pela alimentação diferenciada no dia-a-dia do trekking e pelos procedimentos de segurança adotados. Disponibilizam Telefonia por Satélite para comunicação, além de uma equipe de guias experientes, capacitados e com tratamento humanizado. Tanto para nós, como para eles, esta viagem deve ser a realização de um sonho!

NÍVEL DE DIFICULDADE
O nível de dificuldade do trekking ao Monte Roraima é considerado de MÉDIO a DIFÍCIL, pois a caminhada é realizada em terrenos muito acidentados, com altitude abaixo dos 3.000 metros, não sendo necessários adaptação climática e o uso de técnicas verticais. Esta atividade é possível à maioria das pessoas, mas é preciso ter consciência de que a realidade da trilha é bastante cansativa e o desgaste físico é extenuante.

Este pacote inclui:
 Transporte Boa Vista/Santa Elena de Uairén/Comunidade Indígena Paraitepuy – ida e volta;
 Hospedagem em Santa Elena de Uairén – 01 diária (duplo, triplo ou quadruplo, conforme disponibilidade);
 Pensão completa no trekking: jantar, café da manhã, almoço de trilha;
 Kit primeiros socorros;
 Equipamentos de camping: barracas, lonas, fogareiro, material de cozinha;
 Guia de trilha;
 Carregadores para equipamentos coletivos;
 Reserva do período da viagem junto ao Inparques e Comunidade Indígena Paraitepuy.

Itens a serem adquiridos à parte:

Seguro viagem, bilhetes aéreos, receptivo in/out, hospedagem em Boa Vista, refeições fora do trekking (Boa Vista, Santa Elena de Uairén e Comunidade Indígena), taxas de entrada no Parque Nacional Canaima, carregador pessoal, equipamentos pessoais, alimentação diferenciada, outros transfers e passeios.

Notas:
a) Este pacote não inclui seguro viagem, porém, é obrigatório que cada viajante tenha seu próprio seguro para participar desta expedição.

b) Os bilhetes aéreos podem ser solicitados através de nós. Caso tenham interesse, consulte-nos.

ROTEIRO

1º dia: Boa Vista 86mt / Santa Elena de Uairén (Venezuela) 900mt
Briefing às 08h30 no Hotel Aipana Plaza. A participação no briefing é obrigatória. Saída de Boa Vista às 13h00, o local de pick up será no Hotel Aipana Plaza, com destino a Santa Elena de Uairén (220km), com chegada prevista para às 18h00 no hotel, em Santa Elena de Uairén. Noite livre em Santa Elena de Uairén. Jantar e pernoite. Temperatura: 25ºC, aproximadamente.

2º dia: Santa Elena de Uairén/ Comunidade Indígena Paraitepuy 1300mt / Primeiro acampamento 1100mt
Café da manhã e saída para Paraitepuy (100km) por volta das 08h00. Distribuição e pesagem da bagagem para início do trekking. Tempo de caminhada prevista em 05 horas até o acampamento no rio Kukenan, num percurso de 16km. Montar acampamento, reconhecimento da área, fotos, descanso, algumas reflexões e informações sobre o próximo dia de trekking. Jantar e pernoite. Temperatura: 25ºC, aproximadamente.

3º dia: Rio Kukenan / Base do Mt Roraima – 1850mt
Café da manhã e saída por volta das 08h00 rumo à base da montanha. Percurso de 7km com caminhada entre 04 e 05 horas. Apesar de o percurso ser menor, o esforço será bem maior devido a ser 70% de subida. Na chegada, montar acampamento e alimentar-se, tomar um banho nas águas frias, reconhecimento da área para fotos, meditação, e informações sobre o dia seguinte. Jantar e pernoite. Temperatura: 20ºC, aproximadamente.

4º dia: Base do Mt Roraima / Topo 2734mt
Café da manhã e saída às 08h00 rumo ao topo. Trilha de aproximadamente 4,5km com duração entre 04 e 05 horas de subida. Este será um dos momentos mais bonitos do trekking, com paradas durante o trajeto para fotos, descanso, contemplação da paisagem, flores como orquídeas de diversas espécies e pequenos pássaros. Passa-se por vários igarapés e sob uma cachoeira. Breve parada para recuperar o fôlego, reunir o grupo e seguir para o local do acampamento. Tarde de descanso. Jantar e pernoite. Primeira noite no topo. Temperatura no topo: 10ºC durante o dia – 05ºC à noite, podendo ficar em ZERO, se chover.

5º dia: Vale dos Cristais / Ponto Triplo / Acampamento Coati – Lado brasileiro
Café da manhã e saída com destino ao Vale dos Cristais e Ponto Triplo, num percurso de 04 horas de caminhada. Neste ponto todos poderão descansar, fazer um lanche e tirar fotos. Logo depois, seguir para o acampamento chamado Hotel Coati, distante 40 minutos. A caminhada neste dia será de 15km, aproximadamente. O Coati é um lugar enigmático, misterioso e encantador, localizado entre duas pedras enormes, onde há uma entrada como se fosse uma caverna. Tem uma espécie de hall onde dá vista para o céu. Neste lugar há uma espécie de jardim de inverno: uma pequena lagoa no centro, rodeado de plantas variadas, um pequeno paraíso. É um lugar bom para quem gosta do silêncio e do isolamento. Aos que estiverem dispostos, poderão caminhar 500mt até o paredão no lado brasileiro, onde avistarão a floresta do Parque Nacional do Monte Roraima na Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, onde vivem os índios Ingarikó, e logo adiante o Roraiminha (um tepuy menor). Jantar e pernoite. Segunda noite no topo.

6º dia: Acampamento Coati / Lago Gladys
Café da manhã e ida ao Lago Gladys, no lado guianense da montanha. Será uma caminhada de quase 03 horas de ida e mais 03 horas de volta.
É um passeio legal, a trilha é um pouco diferente da que se fez até agora, e o Lago é um atrativo à parte. Para aqueles que preferem um pouco de descanso, podem ficar no acampamento.
Jantar e pernoite no acampamento Coati. Terceira noite no topo.

7º dia: Acampamento Coati / Acampamento próximo do início da descida
Café da manhã e retornar para o acampamento próximo da chegada ao topo, com aproximadamente 05 horas de caminhada e 15km percorridos. Em determinado ponto da trilha, visitaremos o El Foso, um buraco enorme onde se forma uma piscina natural. Aos mais curiosos e aventureiros, há possibilidade de ir ao fundo do El Foso através de uma galeria subterrânea. Tarde livre. Jantar e Pernoite. Quarta noite no topo.

8º dia: Pedra Maverick / Piscinas Jacuzzi / Mirante La Ventana / Salto Catedral
Após café da manhã, saída para um dia de caminhada leve (aproximadamente 06km), com ida a Pedra Maverick (ponto mais alto do Monte Roraima, com 2875mt), de onde se avista a vastidão da Gran Sabana (inclusive toda a trilha que foi feita para chegar à base). Depois, caminhada até as Banheiras Jacuzzi (piscinas naturais onde se pode tomar banho) e ao Mirante La Ventana, onde é possível admirar a imponência do Monte Kukenan, com suas diversas quedas d’águas, inclusive o imenso vale de florestas que há entre os dois tepuys.
As imagens são de tirar o fôlego, é uma verdadeira janela com vista ao paraíso, momento apropriado para ficar quieto e deixar a brisa tocar a alma. Após esta experiência, ida ao Paso de Los Cristales, local adequado para a reposição de energias para os próximos dias de trekking. No retorno para a o acampamento, parada no Salto Catedral, onde você, literalmente, se sentirá dentro de um Santuário. Jantar e Pernoite. Quinta noite no topo.

9º dia: Topo / Base / Acampamento rio Tek
Hora de retornar à civilização. Após o café, levantar acampamento e iniciar a descida por volta das 08h00. Descida prevista em 04 horas até a base, com parada de aproximadamente 40 minutos para descanso e alimentação, em seguida ir para acampamento do rio Tek, com chegada prevista para as 16h00 (14km). Depois de toda a caminhada, este será o acampamento mais agradável, pois acabaram os perrengues com o frio, molhaceiros e o céu estrelado proporcionará um deslumbramento. Aproveitar o restante do dia para descanso, tomar banho e produzir mais fotos. Jantar e pernoite. Temperatura: 25ºC, aproximadamente.

10º dia: Acampamento rio Tek / Paraitepuy / Santa Elena de Uairén / Boa Vista
Última etapa. Café da manhã e iniciar caminhada rumo à aldeia que será no mesmo horário dos dias anteriores. Trecho de 15km com duração de 4 horas, inspeção de rotina pela guarda do Inparques, e retorno para Santa Elena de Uairén (100km) com previsão de chegada em Pacaraima às 16h00, para a conexão dos veículos, e depois para Boa Vista (220km), com previsão de chegada às 20h00. O ponto final da viagem será no mesmo local do embarque para a expedição, ou seja, no Aipana Plaza Hotel.

Ao final deste roteiro, é possível realizar outros passeios em Roraima e região, como:
Salto Angel, Gran Sabana, El Pauli, Chirikayen tepuy, Serra do Tepequém, etc.
Havendo interesse, consulte-nos!

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

• Sugerimos que, para se evitar períodos de indisponibilidade, o transfer do aeroporto de Boa Vista para o hotel (e vice versa) e a hospedagem em Boa Vista, devam ser solicitados o mais cedo possível, ou – no limite – com pelo menos 1 semana de antecedência;
• A mesma sugestão vale também para os que desejarem apartamento exclusivo em Santa Elena de Uairén;
• Não recomendamos este roteiro para pessoas que estejam em tratamento médico.
• Caso tenha interesse em formar um grupo privativo, torna-se necessário haver pelo menos 07 participantes. Se houver menos, e ainda desejar o grupo privativo, há que considerar o montante de 07 pagantes, e ratear esse valor pelos confirmados.

 A participação no briefing é obrigatória para integrar o grupo e fazer parte da viagem. Nesta reunião serão passadas informações e critérios fundamentais para que a expedição aconteça dentro das Normas de Segurança e Conduta dos Parceiros da EMO7ION e do Inparques (Instituição que controla o Parque Nacional Canaima – na Venezuela). Todos os regulamentos adotados pela empresa, bem como pelas Instituições Venezuelanas e Brasileiras devem ser respeitadas e seguidas na íntegra.
 Quem não estiver presente para o transfer com destino a Santa Elena de Uairén no horário determinado do primeiro dia do roteiro, perderá a participação na expedição, ou arcará com os custos extras do seu deslocamento para alcançar o grupo.
 O roteiro desde a saída de Boa Vista até o retorno pode sofrer modificações conforme as condições climáticas e/ou por motivos alheios a nossa vontade.
 Documento de Identidade expedido pela Secretaria de Segurança Pública (RG) original e o Certificado Internacional de Vacinação (atestando vacinação contra febre-amarela anterior há 10 dias antes da viagem) são suficientes para entrada de brasileiro na Venezuela. Porém, recomendamos trazer também o Passaporte válido.
 No caso de cidadão não brasileiro (estrangeiro), a documentação necessária para entrada na Venezuela é o Passaporte devidamente acompanhado do Certificado Internacional de Vacinação (atestando vacinação contra febre-amarela anterior há 10 dias antes da viagem) emitido pela ANVISA. Algumas nacionalidades precisam solicitar um visto de entrada com antecedência, verifique a necessidade e, se for o caso, providencie.
 Cada participante é responsável por estar com toda a sua documentação pronta para dar entrada em território venezuelano.
 Participante menor de idade deve realizar a expedição acompanhado dos pais ou responsável com a devida autorização.
 A acomodação de camping é de 2 pessoas por barraca; no caso de desejar barraca individual, deverá adicionar valor extra ao pacote ou poderá trazer a própria barraca, e a mesma poderá ser carregada pela nossa equipe de apoio, sem custo adicional.
 Caso o participante tenha interesse em trazer a própria barraca, recomendamos barracas com coluna d’água com 1.500mm ou mais e de pequena dimensão.
 É extremamente necessário o saco de dormir e isolante térmico ou colchonete.
 Alugamos equipamentos pessoais: saco de dormir, isolante térmico, colchonete e mochila cargueira.
 A alimentação fornecida durante a expedição compreende café da manhã, lanche para o almoço e jantar (solicite o cardápio).
 Caso o viajante tenha interesse em adicionar itens diferenciados ao cardápio, o mesmo deve providenciar e trazer os itens pelos quais tenha preferência. Os itens poderão ser transportados por nossa equipe, inclusive também ser preparados por nós, sem custos adicionais, bem como, sem descontos no valor original do pacote.
 Caso o viajante tenha interesse em lanche de trilha, para comer durante a caminhada, deverá trazer e carregá-lo.
 Sobre bagagem extra, que não será utilizada durante a expedição, recomendamos deixar no guarda-volumes do próprio hotel em que o viajante se hospedará antes do início do roteiro, que provavelmente será o mesmo utilizado na volta para a cidade.
 Aos carregadores para equipamentos coletivos, cabem levar equipamentos coletivos de camping, de cozinha e alimentação. Ao viajante cabe levar a sua mochila e equipamentos pessoais (saco de dormir, isolante térmico, colchonete).
 Caso o viajante prefira contratar carregador pessoal para levar sua mochila (altamente recomendável), esta é uma opção particular de cada participante que não faz parte do pacote. A contratação deverá ser acertada diretamente entre as partes, o guia da expedição se encarregará apenas de orientar sobre os procedimentos regulares. Leia mais sobre essa parte importante da expedição em nossos informativos adicionais.
 O valor do serviço de carregador pessoal está cotado em R$ 50,00/dia (serão 09 dias de roteiro de trilha, ou seja, total de R$ 450,00), que deverá ser pago diretamente ao próprio. Este valor poderá sofrer alteração até o dia da expedição, convêm consultar alguns dias antes da viagem.
 No caso da contratação de carregador pessoal, o participante deverá adicionar à EMO7ION o valor de R$ 50,00/dia para a aquisição do suplemento alimentar deste carregador bem como o transporte destes suplementos, pois o mesmo não responde por suas provisões, e precisa dessa alimentação para se integrar à equipe operacional. Como serão 09 dias de trilha, então o total será de R$ 450,00, que pode ser pago até o dia do briefing.
 Cada carregador pessoal leva até 15 kg, além dos seus próprios pertences pessoais.

A reserva da viagem passa a ser confirmada com o preenchimento da ficha de inscrição, envio da cópia do RG ou Passaporte e pagamento.

EXPEDIÇÃO MONTE RORAIMA
Roteiro Circuito Mágico Makunaima – CMM
10d09n – 05 noites no topo

Nossos grupos confirmam-se com um mínimo de 03 pessoas

Valores e Opções de Pagamentos e Descontos

Opção 01 com desconto: R$ 3.650,00 sendo realizado o sinal de R$ 1.150,00 no ato da reserva, por transferência bancária, e o saldo* de R$ 2.500,00 em espécie no dia do briefing.
*Se o saldo for pago no cartão de débito ou por transferência bancária, será considerado o valor abaixo, sem desconto.

Opção 02 sem desconto: R$ 3.850,00 parcelado em até 6x sem juros, por transferência bancária ou cartão de crédito. A quantidade de parcelas por transferência bancária varia de acordo com a data da compra em relação à data da viagem, sendo que a 1ª parcela seja no ato da reserva e a última parcela seja quitada até 10 dias antes da viagem.

Não se aceitam cheques.
Valores sujeitos a alteração – consulte-nos ao confirmar sua reserva.

Consulte-nos

EMO7ION

Você merece uma grande aventura!

Especialistas em Turismo Personalizado

TRAVEL DESIGNERS

Viagens Globais Personalizadas
Parceladas em até 12 vezes!
Phone, Cell & WhatsApp
+55 71 3032 0700
+55 71 99204 0661
+55 71 99334 0015
emo7ion@emo7iontour.com

Rua Fernando Menezes de Góes 73, Sala 309
Pituba, 41810 – 700 Salvador, Bahia, Brasil